Três razões para ‘Me chame pelo seu nome’ ser meu indicado ao Oscar favorito

A adaptação do livro “Me chame pelo seu nome”, escrito por André Aciman, para o filme dirigido por Luca Guadagnino, é o meu favorito entre os indicados ao Oscar de Melhor Filme 2018, a levar a prêmio que será entregue neste domingo, em Los Angeles.

A primeira razão seria a história em si. O romance entre Elio e Oliver é tão bonito que me fez pensar no quanto um amor intenso nos faz sofrer. E o quanto isso é maravilhoso.

A necessidade de estar com a pessoa amada a todo instante, as tentativas de disfarçar o que é tão evidente e as de agir naturalmente como se nada estivesse parecendo consumir suas entranhas por dentro. Tudo isso está presente – e foi muito bem adaptado do livro para o cinema.

(Lendo a história, os pensamentos do adolescente são evidentes e bastante claros, mas o ator no filme conseguiu demonstrá-los por suas expressões, voz e linguagem corporal, o que me faz também torcer para que Timothée Chalamet ganhe o Oscar de Melhor Ator. Apesar disso, não acho que ele vá levar a estatueta, e sim Gary Oldman – sim, o Sirius Black de “Harry Potter” – por sua atuação em “O destino de uma nação”, em que ele encarna Winston Churchill. Mas devo dizer ainda que Chalamet está o-u-t-r-a pessoa em “Lady Bird: a hora de voar”, o que me fez admirá-lo ainda mais. Então mesmo achando que Oldman mereça o Oscar, não vou achar nem um pouco injusto se o novato vencer. Ainda sobre a questão da adaptação, amei que os diálogos foram preservados. A essência do livro está toda lá).

Me chame pelo seu nome
Uma das minhas cenas favoritas do filme “Me chame pelo seu nome” também é uma das partes que mais gostei no livro

E, convenhamos, é gostoso ver Elio deixar sua timidez de lado, enquanto Oliver vai se entregando, aos poucos, aos seus sentimentos.

A trilha sonora é envolvente e se encaixa muito bem com as cenas. Não é à toa que a música “Mystery of love”, de Sufjan Stevens, foi indicada ao Oscar de Melhor Canção Original – que, aliás, também torço para conquistar a estatueta.  Não acredito que seja um motivo para garantir o Oscar de Melhor Filme, mas considero um bônus que torna o filme ainda mais especial.

A próxima razão é a atuação dos atores Timothée Chalamet, no papel de Elio, e Armie Hammer, que interpreta Oliver. Fiquei surpresa quando vi ambos dizendo em entrevistas que são heterossexuais. (Indico assistir a essa participação deles no programa da Ellen Degeneres).

Timothée e Armie se beijam demonstrando tanta paixão no filme que imaginei que a produção tivesse escolhido artistas gays. De fato, não há nem como suspeitar que eles tenham outra orientação sexual. Mesmo nas cenas em que eles ficam com mulheres, você percebe claramente que aquelas pessoas não são as com que deveriam estar. Eles conseguem mostrar de uma forma muito natural que cada um combina com o outro. Os gostos semelhantes, as conversas, aquela casa na Itália maravilhosa, com os quartos dos dois um do lado do outro. Amei a situação relatada pelos atores na entrevista sobre “quebrar o gelo” no início das filmagens.

Algo que me deixou chocada foi saber que o ator Michael Stuhlbarg, que faz o pai de Elio, trabalhou também nos filmes “A forma da água” e “The Post: a guerra secreta”, que também estão concorrendo na categoria de Melhor Filme, sendo esse primeiro o favorito, segundo a mídia. O mais impressionante é que não consegui reconhecê-lo. Assisti aos três filmes sem perceber que era a mesma pessoa, mas depois li uma publicação no grupo do Cine Arte UFF que trazia essa informação, para minha surpresa.

Michael Stuhlbarg

O que me leva à terceira razão para ter amado muito “Me chame pelo seu nome”: o lugar. Viajei para a Itália em 2014 e considero como um dos lugares mais bonitos que já fui. No filme, aquela energia de um verão italiano é transmitida diretamente para o público. A impressão que tenho é que aquele país tem uma tonalidade amarela, uma luz diferente de qualquer outro lugar no mundo. E o filme conseguiu mostrar isso.

Assistir à obra é uma forma de descansar no Norte da Itália, aproveitar boas conversas, vencer os medos do que a sociedade pode pensar, viver uma história de amor e conseguir sobreviver a ela.

Para terminar, sugiro a vocês ouvirem a outra música do artista Sufjan Stevens que faz parte da trilha do filme:

Anúncios

La La Land: Cantando estações | Resenha

La La Land: Cantando estações é o favorito a levar o Oscar de Melhor Filme em 2017. Além disso, está concorrendo em outras 12 categorias: Melhor Direção, Melhor Atriz (como fora mencionado na resenha de Louise Smith aqui no Projeto Nellie Bly), Melhor Ator, Fotografia, Mixagem de Som, Figurino, Edição de Som, Direção de Arte, Trilha Sonora, Canção Original – para duas músicas: Audition (The fools who dream) City of Stars -, Roteiro Original, e Edição.

A história é muito simples. Sebastian é um pianista que sonha em abrir um clube de jazz em Los Angeles. Mia é uma atriz, buscando sua grande chance de brilhar nos filmes de Hollywood. Antes de se conhecerem, vemos como é difícil essa jornada, mas, uma vez que se unem, um dá força ao outro para que ambos arregacem as mangas, façam sacrifícios e lutem por seus sonhos, vencendo cada meta, dando um passo de cada vez.

lalaland
Me senti exatamente assim assistindo ao filme. É apaixonante!

No entanto, a forma como os sonhos são realizados não é nada simples. Tampouco as consequências do que é preciso abrir mão para torná-los reais. Com La La Land, você aprende que os sonhos custam um preço. É preciso decidir se você tem a garra necessária para ir atrás deles, independentemente do que possa lhe custar. Dessa forma, no fim do filme – e este não é um spoiler do que acontece com os personagens, mas é um spoiler de como você possivelmente vai se sentir -, você entende que tornar os sonhos reais não significa alcançar uma vida perfeita, tampouco ter chegado ao fim. E o que mais gosto é da sensação que paira no ar. A conquista de um objetivo não é o fim. É apenas um virar de páginas.

A magia do Cinema está presente em cada segundo que você perde seu fôlego assistindo a La La Land, em cada vez que você pisca e teme ter perdido um brilho no olhar de Ryan Gosling ou uma expressão de angústia estampada no rosto da sonhadora Mia (Emma Stone).

Por isso, é um musical feito para os apaixonados por Cinema. Não estou me referindo aos blockbusters de hoje em dia. Estou falando sobre o Cinema de Audrey Hepburn, Marilyn Monroe, Elizabeth Taylor.

audrey
Quem mais pegou a referência a essa cena em La La Land?

 

Tudo isso sem contar as diversas referências a filmes que marcaram a história do Cinema e, possivelmente, as vidas de milhares de pessoas (estou claramente me incluindo neste grupo de pessoas). Como uma grande fã de Audrey Hepburn, soltei um suspiro ao ver uma referência à cena de Cinderela em Paris, quando Audrey segura vários balões coloridos.

No entanto, se você não gosta de jazz, sonhos, cores vibrantes, ou esperança, certamente este não é um título que lhe diga respeito. La La Land é para os que enxergam, nos sonhos, objetivos, porque eles não são feitos para serem deixados guardados em gavetas. Sonhos são feitos para serem vividos. E o objetivo da vida é justamente ir atrás deles.