Dois Irmãos e a violência como sinal de masculinidade

Nesse ano de 2017 foi lançada a minissérie Dois Irmãos, no canal Rede Globo. A produção é baseada na obra de Milton Hatoum, foi escrita por Maria Camargo e tem direção artística de Luiz Fernando Carvalho.

A produção técnica do programa, assim como a maioria das produções do canal, é incrível e digna de Hollywood. Da fotografia ao som, não há o que questionar. No entanto, o conteúdo, mais especificamente, o roteiro, não segue o mesmo caminho e perpetua esteriótipos que estão mais do que na hora de serem questionados e quebrados na programação brasileira.

mv5bzdkwy2q2yzatowy5zc00nji1lwjiyjgtymm4n2ezmwi0mwnll2ltywdlxkeyxkfqcgdeqxvymty2mzyynza-_v1_

Sinopse: A história gira em torno de dois irmãos gêmeos idênticos, Omar e Yaqub, que têm personalidades conflitantes desde pequenos, e suas relações com a mãe (Zana), o pai (Halim) e a irmã (Rânia). Moram na casa da família a empregada Domingas e seu filho, Nael. O menino é quem narra, após trinta anos, os dramas que testemunhou calado. Do seu canto, ele vê entes da família de origem libanesa terem desejos incestuosos e se entregarem à vingança, à paixão desmesurada, em Manaus.

No primeiro capítulo, somos apresentados a Manaus, mais parecida com uma vila, em plena década de 20. Na trama, o personagem Halim (Bruno Anacleto) é apaixonado por Zana (Gabriela Mustafá) e, um dia, decide entrar no restaurante do pai desta e recitar um poema. Assim, com esse simples gesto, a menina se encanta e está decidida e a se casar com o moço.

halim-recita-gazal-para-zana-no-biblos-fase-1-editada
Halim (Bruno Anacleto) e Zana (Gabriela Mustafá)

Recentemente, vi uma crítica que dizia achar incrível que Zana avisa ao pai que irá se casar, como quem diz que vai na padaria. Porém, ao meu ver, eu questiono muito essa forma de romance, em que nada acontece e é só o rapaz declamar um poema para que a menina, considerada a mais linda da cidade, caia de amores. Eu amo poemas e poesias, mas convenhamos que ninguém se apaixona por alguém em três segundos, muito menos por causa de uma declamação , a não ser em filmes à la Disney.

A partir disso, os anos se passam e o casal está pronto para ter filhos. Na verdade, a mulher que exige filhos, já que o marido, não gostaria de ser pai. Assim, eles têm os gêmeos Omar e Yaqub, e se inicia toda a tragédia.

De acordo com o narrador, o filho “caçula”, Omar, nasceu muito fraco e quase morreu e, por isso, a mãe o cuidou com mais zelo e carinho, do que seu irmão. Por meio dessa preferência da mãe, surgiu uma relação de ciúme doentio dentro da família, do pai com os filhos e de Omar (o filho queridinho) com Yaqub (o menino calado).

yaqub
Os intérpretes de Omar e Yaqub, Lorenzo e Enrico Rocha, Matheus Abreu e Cauã Reymond.

Por meio disso, a história incita o ódio entre os irmãos o tempo todo, justificando a briga e violência destes, por causa de ciúmes e culpando todas as mulheres envolvidas. Ainda no capítulo 1, Omar, agora com uns 10 anos de idade, e Yaqub, se apaixonam por Lívia e esta, parece interessada nos dois. Não conhecemos nada da menina, ela simplesmente aparece para “provocá-los” e causar discórdia.

Na cena em que eles vão a exibição de um filme, na casa dos vizinhos, Yaqub beija Lívia e Omar, possuído pelo ciúme e ódio, quebra uma garrafa de vidro e corta o rosto do irmão. Zana, a mãe sofredora, não sabe lidar com a situação sem magoar um dos filhos e Halim, o pai bipolar, decide enviar o filho machucado para o Líbano, seu país de origem, por alguns anos.

Nesse trailer da série é possível ver a cena do corte.

O tempo passsa e a relação de Zana e Omar, agora confusa, com beijos no pescoço e pegadas por trás, fica mais forte e ambígua, enquanto Yaqub, volta, anos depois, mais quieto do que nunca e sem se sentir um membro da família. Ou seja, Yaqub, quem levou a cortada, que foi mandado embora e, exatamente ninguém, sentou para conversar com Omar e dizer que o que ele fez foi errado.

Por meio de narrativas assim, continuamos a ensinar aos meninos que quanto mais violento e dominador eles forem, mais eles provarão sua masculinidade. A mídia, seja televisão, cinema, internet, quadrinhos, etc, tem um papel essencial na construção de um indivíduo e quando mostramos cenas nesse estilo , crianças e adultos permanecem com a ideia estereotipada de masculinidade como forma de oprimir e dominar.

Além disso, a não ser pela personagem Zana, que é a mãe dos gêmeos, todas as mulheres mal falam e tampouco tem personalidade e histórias interessantes. A maioria aparece para saciar as vontades dos homens ou causar “discórdia” entre eles, o que me fez lembrar o texto que li no site groknation.com, “Porquê mulheres são vistas como puritanas ou putas?”.

Na imagem, a personagem Lívia, mais conhecida como a “causa” da discórdia entre os irmãos.

Segundo uma das colaboradoras do groknation*, Sa’iyda Shabazz, “As duas primeiras imagens de mulheres foram ou a Virgem Maria ou Maria Madalena, uma prostituta que buscava a redenção de Jesus. Quando somente há duas únicas visões de mulheres, desde os primórdios, como é que se supõe que iremos passar adiante disso? […] Nós ainda preferimos manter as mulheres ao padrão da mãe virgem, porque é mais seguro, do que ver as mulheres como pessoas totalmente formadas que podem desfrutar de algo como o sexo, sem motivos de procriação.” (Tradução livre)

Outro detalhe interessante é vermos as cenas de Zana e Rânia, sua filha, numa eterna disputa de poder e beleza, além de que, conforme a própria narração diz sobre a mãe: “ao envelhecer, Zana perde sua beleza para a filha”. Enquanto jovens, somos lindas, quando envelhecemos, somos esquecidas e rechaçadas e, claro, a disputa entre mulheres não foge nem dentro da família. Nao sei aonde iremos parar com esses “ensinamentos”.

zanamontagem
Zana, interpretada por Gabriela Mustafá, Juliana Paes e Eliane Giardini.

E o quê falar da personagem Domingas (Zahy Guajajara)?

Quando criança, ela fica órfã e é entregue à Zana, como um presente, para servir como empregada doméstica, mas, na verdade, ela se torna uma escrava. O próprio narrador, que é seu filho, comenta “Domingas é meio ãma, meio escrava”. Meio não, ela é escravizada, humilhada e abusada o tempo todo. Inclusive, a personagem é estuprada pelo gêmeo Omar e NINGUÉM comenta o assunto e a jovem ainda é humilhada, quando anda com seu filho pela cidade, chamada por nomes horríveis, até mesmo pela “patroa”, que diz não querer “um filho de ninguém” em sua casa.

dois_irmaos_zahy_guajajara_cena_fixed_big
Domingas (Zahy Guajajara).

Será que ninguém percebe o quão errado é isso? No momento em que uma das personagens é humilhada, estuprada, abusada, e não tem sequer voz e história por trás, fica a entender de que ela pertence à família e eles podem fazer o que quiserem com ela, especialmente os homens. Esse tipo de história concretiza a ideia de que nós, mulheres, somos meros objetos de prazer masculino. E não, nós NÃO somos! Sem contar que, também remete à ideia de que índios são inferiores, sendo justificável os brancos, no caso, libaneses, escravizá-los.

Para piorar, as outras mulheres, maioria negras ou estrangeiras, aparecem quando Omar quer transar ou quando quer provocar sua família, em particular sua mãe, que insiste em humilhar as moças, as chamando de vadias e destruidoras de lares, passando a mão na cabeça do filho, que estupra, abusa e soca quem ele quiser, sem nunca ser punido.

dois-irma%cc%83os-omar-invade-festa
O filho quem leva a “destruidora de lares” para casa e ela quem é humilhada e expulsa do lugar.

Por fim, entendemos que a redenção de Omar acontece, quando seu filho, Nael, vindo de um estupro, estende suas mãos ao “pai”, querendo ouvi-lo dizer perdão. Infelizmente, Omar, assim como a maioria dos homens, que usam e abusam de sua “masculinidade”, nunca assume e, talvez, nem entenda seus erros, enquanto, Domingas são esquecidas e jogadas ao mar. É simplesmente cansativo vermos minisséries como esta, em que os homens seguem esse padrão de violentar quem eles bem quiserem para provar seu lugar como macho alfa e nunca serem reprimidos ou punidos por seus crimes.

Até quando insistiremos em histórias assim?

Ano passado, tivemos o prazer de assistir Justiça que, mesmo tendo histórias tristes e pesadas, deu um show de humanidade. Então por que não vemos mais programas como este, ao invés de Dois Irmãos, que somente investe em misoginia, preconceito, ódio e mais ódio? O que estamos querendo passar aos nossos meninos/homens e o que estamos dizendo sobre nossas meninas/mulheres?

Para refletir sobre o assunto, indico o documentário the Mask You Live In , abordado pela Louise Queiroga, no texto “A máscara que os meninos usam”, em que a autora diz O filme aborda como a masculinidade é socialmente construída e o quanto isso fere a forma de como os homens poderiam se expressar”. Ademais, o doc ainda mostra como a mídia influência no desenvolvimento de caráter de uma pessoa.

Sendo assim, uma produção que tinha tudo para ser extraordinária, acaba ferindo as mulheres e perpertua a educação machista de nossa sociedade. Uma das coisas que salva o programa, é a maravilhosa interpretação de Juliana Paes e Eliane Giardini, mas, até mesmo a primeira, quando elogiada, tem seu corpo e nudez glorificado e o talento velado.

captura-de-tela-2017-01-23-as-16-52-36
As primeiras notícias do Google, ao pesquisar sobre a atriz na minissérie, são sobre as cenas em que ela aparece nua.

*groknation.com: é o site da atriz e neurocientista Mayim Bialik, mais conhecida pelo papel de Amy Farrah Fowler, na sitcom americana The Big Bang Theory.

BIBLIOGRAFIA:

GROKNATION. FEMINISM 101: WHY ARE WOMEN ONLY SEEN AS “PRUDES” OR “SLUTS”?. 2017. Diponível em: <http://groknation.com/women/feminism-101-why-are-women-only-seen-as-prudes-or-sluts/&gt;. Acesso em: 22 de jan. 2017.

GSHOW.‘Dois Irmãos’: conheça a história da nova minissérie da Globo. 2017. Disponível em: http://gshow.globo.com/tv/noticia/2016/11/dois-irmaos-conheca-historia-da-nova-minisserie.html&gt;. Acesso em: 22 de jan. 2017.

WIKIPEDIA. Dois Irmãos. 2017. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Dois_Irmãos_(minissérie)&gt;. Acesso em: 22 de jan. 2017.

Anúncios

A máscara que os meninos usam

O documentário The Mask You Live In, do roteiro e direção de Jennifer Siebel Newsom, e disponível na Netflix, é um daqueles filmes que deveria ser assistido por todos, meninos ou meninas, homens ou mulheres. O filme aborda como a masculinidade é socialmente construída e o quanto isso fere a forma de como os homens poderiam se expressar. Mas também fala sobre bullying, assassinato, agressividade e suicídio. Eu sou feminista, o que significa que sou contra o machismo. Isso também significa que eu não sou contra os homens. E este texto é sobre eles.

“Ele veste uma máscara, e seu rosto se molda a ela…” – esta frase de George Orwell foi um excelente ponto de partida do documentário The Mask You Live In (que em português pode ser traduzido como A Máscara Em Que Você Vive).

A partir daí, dá-se início à discussão sobre como a cultura norte-americana contribui para solidificar essa máscara nos homens, desde a infância, impedindo que eles exponham o que há por baixo dela.

É interessante observar o amadurecimento de alguns deles. Me impressionou a história de um rapaz que, no ensino médio, sentiu a necessidade por afirmar-se como homem com H maiúsculo e deixou de fazer coisas que gostava, entrou para o time de futebol da escola, namorou uma líder de torcida e deixou de ser amigo do menino que conhecia desde o ensino fundamental porque ele não seguiu esse mesmo caminho e continuou fazendo coisas consideradas como “não masculinas o suficiente”. O outro menino perguntou para ele o porquê do afastamento e, na época, ele não soube responder. A ficha só caiu anos depois, quando ele reconheceu as pressões da família, da escola, da sociedade como um todo para “ser um homem”. Ademais, reconhece, inclusive, os privilégios de ser um homem branco, quando fala sobre o seu avô, um “macho alfa”, em suas palavras.

captura-de-tela-2017-01-21-as-06-23-57
captura-de-tela-2017-01-21-as-06-24-09
Este é um dos entrevistados. Ele conta sobre sua passagem do ensino fundamental para o médio, quando sofreu bullying, abandonou o teatro (que anos depois ele retomaria, porque – afinal – ele gosta!) e a necessidade que havia por afirmar-se como homem. Aqui, nesta passagem, ele fala sobre o avô, um homem branco do sul dos EUA, que serviu ao exército e viveu o “sonho americano”.

Coloco aqui a fala de um psicólogo que resume a mensagem do documentário e também do que vivo tentando dizer para as pessoas:

Meninos e meninas são muito mais humanos e muito mais iguais do que são diferentes. Se você der 50 mil testes psicológicos para meninas, os resultados formarão uma curva em forma de sino. Se der os mesmos 50 mil testes psicológicos para meninos, os resultados formarão uma curva de sino de meninos. Se sobrepuser as duas, elas coincidirão em 90%”, afirma o psicólogo Dr. Michael Thompson

Concluindo:

captura-de-tela-2017-01-21-as-05-19-24captura-de-tela-2017-01-21-as-05-19-40

A neurologista Lise Eliot explica as diferenças entre os conceitos de sexo, um termo biológico, e gênero, uma construção social, em que há “expressões de masculinidade e feminilidade”. O problema da construção da masculinidade durante a infância dos meninos é passar para eles a ideia de que devem rejeitar o que é considerado feminino. Com o tempo, eles acabam acreditando que são superiores às mulheres e aí vem toda a história do machismo que nós já conhecemos bem.

captura-de-tela-2017-01-21-as-05-14-15
A neurologista Lise Eliot explica as diferenças entre sexo e gênero e afirma que as expressões de masculinidade e feminilidade são socialmente construídas.

Como afirmei no início do texto, essa é uma publicação sobre os homens, mas também é para os homens. Por isso, deixo aqui uma mensagem para eles:

Prezados homens,

sei que houve momentos em que vocês se sentiram tristes, solitários e assustados, mas não demonstraram isso porque vocês pensavam que deveriam agir de outro modo. E essa é a máscara que os meninos usam. Vocês, mesmo que sem notarem, escondem quem são, ou ao menos esconderam durante um período da vida. Agora, como muitos dos entrevistados (já na fase adulta), é possível que tenham enxergado que não é essa máscara que faz de vocês homens, que define vocês. Porque, antes de mais nada, vocês são humanos e está tudo bem se demonstrarem isso.

As pesquisas indicadas no documentário mostram que a fase da vida em que os garotos começam a esconder as emoções consideradas femininas coincide com o aumento do número de suicídios, que são superiores ao das garotas.

captura-de-tela-2017-01-21-as-05-28-49
O número de suicídio de meninos aumenta na fase da vida em que eles mais sentem pressão social para serem machos e não demonstrarem emoções consideradas femininas.

Este é um dado muito delicado e abordado de uma forma emocionante pelo documentário, com depoimentos de rapazes que consideraram ou até mesmo tentaram suicídio. As causas e consequências são analisadas pelos especialistas que salientam a necessidade da observação em casos de determinados comportamentos típicos da depressão. O problema, contudo, é que o senso comum acaba confundindo tristeza com depressão, o que pode dificultar o diagnóstico da doença nos garotos. Os que sofrem desse mal podem demonstrá-la por meio de agressividade, crimes (quantas notícias já vimos sobre atentados de jovens americanos com armas de fogo?) e, por fim, o suicídio.

Há muitos aspectos relatados no documentário que são dignos de serem mencionados aqui (arquétipos da cultura pop, bullying, sexualidade, bebidas, drogas, aversão ao que é feminino, a ideia que fazem das meninas, entre muitos outros), mas acredito que você deva assistir e permitir emocionar-se com os relatos dos garotos entrevistados. Há criminosos em prisão perpétua, estudantes de periferia, jovens de classe média, crianças, adultos, gays, héteros, e por aí vai.

painel_themask1
Um resumo do que você vai encontrar no documentário

É por isso que defendo o feminismo e acredito que ele seja, sim, um movimento para todas e todos. Seria ótimo se os homens, de modo geral, enxergassem que a igualdade de gêneros também diz respeito à liberdade de eles serem quem são e não precisarem se esconder atrás de uma máscara imposta pela sociedade.

1-onu48ju7b9s3e3a9lzhahq
Esta é uma das minhas cenas favoritas, em que um professor faz uma dinâmica com os alunos. Ele dá uma folha para cada um com uma máscara desenhada em um dos lados e pede para que escrevam ali o que os outros sabem deles e, no verso, o que eles não permitem que os outros vejam. Boa parte das respostas contiveram “dor”. Por que meninos não mostram que sentem dor?