Ah, se todos lessem Eleanor & Park…

Esta é uma resenha sem spoilers

Anúncios

Na época da faculdade, quando um professor mandava escrever resenha de livro era um fardo a ser carregado por semanas, mesmo se o livro fosse bom. O problema eram as milhares de outras tarefas para fazer que atrapalhavam e ficavam no caminho.

Em 2017, as coisas começaram diferentes. Não há mais aulas, provas, trabalhos ou TCC.

O tempo livre tornou-se exatamente o que deveria ser. Um espaço de tempo que parece mais uma casinha aconchegante onde posso entrar e permanecer por horas, viajando por entre as histórias que leio. E foi em uma dessas visitas ao meu escape da realidade diário que me apaixonei pelo livro Eleanor & Park.

Havia me cansado um pouco de romances que não me levavam a lugar algum. Só que esse livro se mostrou completamente diferente de tudo o que eu esperava. E isso foi muito bom.

Eleanor & Park dói em você como uma triste canção dos Smiths. Você se deixa levar pelo ritmo e, quando percebe, está refletindo sobre um milhão de coisas que não tinham ressoado antes na sua mente. Ou que não ressoavam havia algum tempo.

Estou falando sobre detalhes. O livro conta a história de um menino que conhece uma menina no ônibus da escola em 1986. Ela é aluna nova, com roupas masculinas, cabelos vermelhos e é grande. Até aí você pode imaginar um filme de adolescente com os mesmos clichês: garoto cool se apaixona pela garota estranha, ela passa por uma transformação (solta o cabelo e tira os óculos) e vivem felizes para sempre após o baile de formatura.

Mas não é isso o que acontece. (Pra começar, Eleanor nem usa óculos. E partes do livro parecem até mesmo zombar desses momentos que transformam o patinho feio em um “lindo” cisne. Tudo isso é relativo).

Ela vive em uma casa lotada de gente, autopreservação e medo. Divide o quarto com seus quatro irmãos mais novos: Ben, Mouse, Maisie e o “little Richie”, sendo este ainda um bebê. E logo descobrimos que nem sempre ela ficou com eles, devido a um incidente com o padrasto.

O livro trata de temas polêmicos, como violência à mulher e papéis de gênero na sociedade, com uma sutileza avassaladora, ao mesmo tempo em que mostra os encantos e as descobertas do primeiro amor.

  • Há molas que rangem no quarto da mãe e gritos de madrugada. Há cheiro de bebida vindo da sala e de silêncio perturbador, do quarto das crianças.
  • Alunos que se acham no direito de zombar de alguém novo e diferente só por considerarem este um passatempo divertido. Um estudo sobre bullying no Canadá, publicado recentemente pela Child Abuse & Neglect (2016), mostra que:
    • Um a cada quatro estudantes sofreram bullying no último ano.
    • Meninas são mais propensas a sofrerem bullying. Aproximadamente 27% disseram passar por este problema, enquanto para os meninos essa porcentagem gira em torno de 22%.
    • Alunos com renda familiar mais baixa – especialmente as meninas – sofrem mais bullying do que os estudantes de famílias mais abastadas.
  • Mensagens obscenas escritas nos livros da escola, misturadas às frases de músicas que ela gostaria de ouvir – e depois que Park lhes apresenta, que ela gosta de ouvir.
  • Park desabafa como a cultura pop trabalha a imagem dos asiáticos. (Ele é coreano). E critica o fato de as mulheres asiáticas serem tratadas como sexy por serem exóticas, enquanto isso nunca ocorre com os homens. E ele se sente mal com essa falta de representação de homens asiáticos na cultura pop como pessoas também bonitas. Eu nunca havia parado para pensar nessa questão e acredito que essa seja uma reflexão válida. Depois, a Eleanor acaba dizendo para ele há o Bruce Lee. Ela o considera sexy. Além de considerar o Park lindo, um gatinho, como ela diz.

Por outro lado, em um canto do beliche de Eleanor há uma caixa de segredos e sonhos. Lá é o lugar onde ela encontra esperança, felicidade e conforto nas lembranças de Park. Na casa dele, ela conhece o que é amor e acolhimento e quando as brigas ocorrem porque as pessoas gostam umas das outras. Vemos que problemas existem em todas as casas. Os da família de Park são apenas mais leves, ainda que também estejam lá.

Eleanor & Park é como uma música. Não só porque a narrativa tem ritmo e porque há infinitas referências a bandas e músicas da época, mas também, principalmente, porque ele gruda em você e uma vez que você tenha começado a “escutar” a história, não tem mais como parar. É viciante.

1483615758881-2
A cereja do bolo são as referências (maravilhosas) à cultura pop que a gente ama!

Há uma frase do livro Jornalismo Literário, do jornalista Felipe Pena, que ficou marcada em mim. “Escrevo porque não sei fazer música. Se soubesse ler partituras e articular notas harmônicas, não me arriscaria nessas linhas tortas e analfabetas” (PENA, 2008, p. 16). Gostaria de tê-la citado na minha monografia, mas infelizmente precisei cortar. De qualquer forma, tenho guardado o trecho que escrevi, refletindo sobre o que o Felipe disse.

Obras de arte são formas de comunicação e, dependendo de como são interpretadas, podem angariar mais ou menos tempo de memorização. A música, para o jornalista Felipe Pena, é mais facilmente gravada na mente, de modo que seja possível ser atribuída a determinadas épocas da vida, a momentos específicos, congelando uma memória, como se o tempo passasse mais lentamente. Por outro lado, a literatura enfrenta um desafio maior nessa questão da memória. […] Mesmo que não seja possível saber de cor linha por linha de um livro, como geralmente acontece com uma música, ainda assim é possível deixar registrado relatos de outros tempos, como se o passado pudesse ser revisitado a qualquer momento. – Parte que precisou ser cortada da minha monografia (no momento de tirar os excessos de texto).

Dizem que não nos esquecemos do primeiro amor. Talvez por ele ser bom como sua música favorita. Talvez porque a história tenha sido tão marcante que não é possível esquecê-la.

Esse livro resgata de você a ingenuidade que se perdeu com o tempo, a esperança nas pessoas e o quanto algumas coisas não têm importância – enquanto outras são as mais importantes de todo o mundo. Além disso, corrobora o pensamento do jornalista, reescrito por mim no trecho acima. Eleanor & Park reflete o espírito de uma época, oferece a oportunidade de visitarmos o passado. No entanto, por se tratar de um tema tão agradável, e essa é uma boa palavra nesse caso, consegue ser facilmente atribuída a uma determinada época da vida, a momentos específicos, congelando uma memória, como se o tempo passasse mais lentamente.

Ah, se todos lessem Eleanor & Park…

Bibliografia

JOURNALIST’S RESOURCE. Student bullying on school buses: Comparing teen boys and girls. Disponível em: https://journalistsresource.org/studies/society/education/bullying-students-school-bus-teen-research?utm_source=JR-email&utm_medium=email&utm_campaign=JR-email

PENA, Felipe. Jornalismo literário. 1 ed. São Paulo: Contexto, 2008. 142 p.

ROWELL, Rainbow. Eleanor & Park. São Paulo: Novo Século Editora, 2014. 325 p.

2 comentários em “Ah, se todos lessem Eleanor & Park…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s